O antigo Palácio Presidente Vargas inaugurado em 29 de janeiro de 1954, teve suas últimas funções políticas administrativas em 2016. Hoje o espaço é denominado Museu da Memória Rondoniense. Na última terça-feira (24), o governador Confúcio Moura junto com o Conselho de Desenvolvimento do Estado de Rondônia (Conder) aprovaram o investimento de mais de R$ 3 milhões para restauração e requalificação do prédio.

De acordo com o governador, o Museu será ponto de visitação para alunos da capital e do interior de Rondônia e para pesquisadores. O museu conta com acervo de quadros, fósseis, obra permanente da artista plástica Rita Queiroz, centro de documentação de jornais e arquivos. Para a diretora do Museu, Ednair Rodrigues, o projeto vai trazer a cor original do prédio, restauração da fachada e acessibilidade dentro do prédio.

“O prédio traz referências a acessibilidade daquela época. E para os tempos atuais é necessário mudar a acessibilidade de acordo com as necessidades da população”, fala Ednair. O projeto visa aumentar as portas para cadeirantes e também será trocada iluminação para exposição e adaptação das salas.

O espaço tem estrutura do Palácio, com a requalificação o espaço será adaptado para Museu. Com isso os acervos contribuirão para demostrar a história do Estado. O museu é ligado a Superintendência da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer (Sejucel). Para o superintendente, Rodnei Paes, essa reformar trará melhor acústica, iluminação e hidráulica.

Para Ednair e Rodnei, o projeto de restauração da arquitetura e requalificação, feito pelo arquiteto Lucas Veronese Varanda, devolve a concepção histórica do prédio e adéqua os acervos do Museu. “Os acervos precisam de espaços diferenciados e com a reforma eles serão adequados a espaços de museu”, diz Ednair.

 

Posts recomendados

Seja o primeiro a comentar, abaixo!


Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *